E-book gratuito Revolução verde

BAIXAR E-BOOK

Blog Finanças Gestão

mprado

08/nov/2019

Como gerenciar com sucesso uma propriedade rural.

Uma propriedade rural bem administrada, bem gerenciada, precisa ter uma força de equipe de trabalho qualificada, bem treinada, desenvolvida e satisfeita com aquilo que faz. A motivação e a satisfação no trabalho são consequências naturais de políticas de pessoal justas e inteligentes.

As rápidas transformações sociais por que passa o mundo, particularmente o Brasil, estabelecem um novo equilíbrio e sentido nas relações de trabalho, transformando-as num processo mais humanizado e, por isso, sujeito a um maior potencial de conflitos, onde as decisões exigem das pessoas, e principalmente das lideranças como é o caso dos gerentes, conduta e habilidades de negociadores permanentes.

A motivação e a satisfação no trabalho são consequências naturais de políticas de pessoal justas e inteligentes que considerem o empregado como um ser humano com necessidades e desejos próprios.

Riscos e variáveis

Aquele que lida com a agropecuária, sabe muito bem o quanto essa atividade apresenta riscos. Sabe que a sua produção depende de muitas variáveis, como: clima, solo, água, plantas, disponibilidade de terras, dinheiro. Depende de tecnologia, de máquinas e equipamentos, depende do mercado e dos programas governamentais, depende dos custos de produção e de investimento e, o mais importante, depende da mão de obra.

Organização

A organização de seu empreendimento rural pode ter grande influência no aprimoramento das potencialidades profissionais e pessoais dos trabalhadores 

Toda propriedade rural, por mais simples que seja, é uma empresa, um negócio. E como todo negócio, para ter sucesso e prosperar, precisa ser bem gerenciado. Uma propriedade bem administrada precisa ter uma força de equipe de trabalho qualificada, bem treinada, desenvolvida e satisfeita com aquilo que faz. Caso contrário, ela terá dificuldades em atingir o sucesso financeiro, com eficácia e eficiência.

O que faz um bom gerente

Para se tornar um bom profissional na área de gerenciamento, deve-se desenvolver três competências:

– A primeira competência é a competência técnica, ou seja, saber fazer aquilo que deve ser feito, na prática. Essa competência é diferente da competência acadêmica. A acadêmica é quando se conhece um assunto apenas na teoria e nunca o desenvolve na prática. Ninguém exige do produtor rural um diploma ou certificado técnico, mas exige que ele tenha um conhecimento atualizado e abrangente, de ordem prática.

No entanto, tempo de serviço ou anos de trabalho na terra não é um bom indicador para medir e avaliar desempenho ou produtividade. Há situações nas quais anos de serviço não acompanham um bom desempenho ou não correspondem a uma competência técnica desenvolvida. Tempo não é indicador de desempenho.

– Competência interpessoal é saber lidar com o outro. É saber se relacionar bem com a equipe de trabalho. É a capacidade para saber lidar com o outro, numa relação de parceria, trazendo ao trabalho qualidade de vida, saúde, alegria, prazer e felicidade.

– A terceira competência é a competência cultural, ou seja, é aquela na qual o saber é mais abrangente, mais amplo. Esta condição não é obrigatória, mas é recomendada para ajudar no desenvolvimento de uma equipe de trabalho.

Visão global

Saber o que está acontecendo no mundo, no País, no seu Estado, no Município, na cidade, através de noticiários no rádio, na televisão ou no jornal, é estar bem informado. O conhecimento até de outras línguas, de estatística, de informática e outros, acabam contribuindo com o desenvolvimento do administrador rural e o desenvolvimento de uma equipe de trabalho.

Em resumo, a competência cultural facilita um contato mais qualificado e competitivo com os concorrentes no mercado produtivo nacional e internacional. E para tal é preciso poder dialogar e aprender mais coisas com dirigentes cultos e vice-versa.

A competência cultural ou um conhecimento mais amplo possui um peso maior, ou seja, é mais importante para o proprietário do empreendimento rural que para seu gerente, seus técnicos ou trabalhadores do campo. Por sua vez, para o gerente, ela é mais importante em relação aos técnicos. E, para os técnicos, a competência cultural tem peso maior que para os demais trabalhadores ou tarefeiros.

Entretanto, é curioso notar que a competência interpessoal possui um peso ou uma faixa ascendente nos níveis hierárquicos do empreendimento rural, sendo tão ou mais importante que as outras competências.

A única diferença que se dá entre os níveis da hierarquia é quanto ao grau de refino dessa competência, como a maneira de falar e de se apresentar. É claro que se espera de um proprietário, gerente, supervisor ou encarregado que fale ou se expresse melhor, com mais diplomacia, em relação a um componente de sua equipe de trabalho.

Sua fazenda, seu negócio

Toda propriedade rural, por mais simples que seja, é uma empresa, um negócio. E como todo negócio, para ter sucesso e prosperar, precisa ser bem gerenciado

A competência técnica possui um peso inverso na hierarquia da organização, ou seja, é mais necessária para seus técnicos ou especialistas, menos necessária para o cargo de gerência e menos ainda necessária para o proprietário do empreendimento rural, a quem compete uma supervisão ou gerência geral do negócio.

O que é mais importante na administração de um empreendimento rural é o desenvolvimento gerencial ou interpessoal, é o saber lidar com o outro. Não adianta eletrificar ou informatizar a propriedade inteira, se não existir um bom gerenciamento, um bom relacionamento interpessoal.

mprado

27/set/2019

Desafios de um líder rural na gestão de sua equipe

Já é de conhecimento de todos, o tamanho da importância do agronegócio para o desenvolvimento socioeconômico brasileiro, tanto no passado como no contexto atual da economia globalizada e competitiva.

Diversos indicadores do desempenho da economia brasileira são frequentemente divulgados na mídia e em estudos acadêmicos, fundamentando tal argumento. Podem-se citar, dentre outros, a participação expressiva do agronegócio no PIB, na geração de empregos, que promove a distribuição de renda, nas exportações, e a considerável contribuição para a balança comercial brasileira. 

Por outro lado, merecem ser consideradas, nesse contexto, as pressões e as transformações por que passam os líderes ou gestores rurais. Neste artigo, o foco são os desafios ligados à administração da equipe de profissionais.

Delegar funções

Delegar funções às pessoas corretas é parte fundamental do trabalho de um líder. Porém, esta é uma lição difícil de aprender, especialmente para aqueles que construíram seu negócio desde o início. Logo quando você começa, você acha que pode administrar e controlar sozinho tudo o que sua propriedade produz.  Afinal de contas, todo mundo gosta de um líder que trabalha duro. Um líder que está sempre presente, que pode fazer tudo.

 Todos ouvimos repetidas vezes o mantra de liderar pelo exemplo, mas haverá algum ponto ao longo da estrada em que isso não funcionará do jeito que costumava funcionar. Isso porque a atividade agrícola envolve inúmeras atividades, e com o crescimento do negócio, o líder, simplesmente, não pode se envolver em cada trabalho operacional. Se ele tentar, só vai se exaurir física e mentalmente, e não poderá gerenciar sua equipe como costumava, e isso só criará mais complicações e dificuldades.

É importante que um líder esteja sempre operando em alto nível de desempenho, para lidar com as tarefas que somente ele é capaz de lidar. E isso envolve delegar tarefas.

Tempo de adaptação

O líder precisa entender que, mesmo delegando tarefas, sua equipe precisa de um tempo de adaptação.

 Quando a empresa rural está crescendo, o papel mais importante do líder é criar processos e estruturas que não precisem de sua opinião e atenção constantes. Seu negócio precisa ganhar um ritmo que não dependa do seu envolvimento.

 Essas são as estruturas que não só vão ajudá-lo a crescer ainda mais, mas também criar a cultura da sua empresa rural. Elas não definem apenas a maneira como você e seus colaboradores trabalham no momento, mas se tornarão uma parte essencial do DNA de sua fazenda nos próximos anos. Tudo tem seu tempo, não existe milagre

 Autonomia para a equipe

 Sempre surgirão problemas que o processo simplesmente não está preparado para lidar. No entanto, nem sempre o líder estará lá para apagar todos os incêndios. Sua equipe precisa ser capaz de lidar com isso por conta própria.

 Esse é talvez o salto mais assustador que cada líder tem que fazer. A capacidade de liderar não pode mais ser avaliada pela quantidade de problemas você pode resolver.

Em vez disso, o trabalho mais importante é construir uma equipe que possa superar os problemas por conta própria.

 A expectativa deve ser definida desde o início: a equipe deve tentar resolver problemas por conta própria antes de passar recorrer ao líder. Por outro lado, ele precisa ter a confiança de que deu as ferramentas que eles precisam para enfrentar esses problemas de forma eficaz. Um líder não pode guardar em segredo a forma com que lida com certos problemas se ele espera que seu negócio cresça.

Um verdadeiro líder compartilha o conhecimento

 Todo a equipe deve entender, primeiramente, a cultura e filosofia do negócio rural. Eles não podem ser apenas o novo alvo para cada problema no futuro. Precisam estar bem treinados para resolver os problemas por conta própria e desenvolver seus papéis na fazenda.

 Formar um time de sucesso ajuda o seu negócio a crescer. E este sucesso é obtido com capacitação e motivação, inclusive possibilitando a ascensão dos profissionais de acordo com seu desenvolvimento. Ninguém quer sentir como se estivesse preso na mesma posição para sempre, sem oportunidades de crescer.

 Deixá-los resolver seus problemas e criar seu espaço na empresa rural irá ajudá-los a melhorar. Porém, não pode haver egoísmo por parte do gestor, ele tem a obrigação de repassar toda a sua experiência, como forma de munir a equipe de todas as informações possíveis.

mprado

10/set/2019

Gestão e tecnologia: Aliados Importantes do Agronegócio

O setor do agronegócio, que representa uma fatia importante do PIB nacional, tem recebido importantes transformações em tecnologia nos últimos anos. Os dados de um levantamento feito pela Comissão Brasileira de Agricultura de Precisão (CBAP) comprovam isso.

Segundo o estudo, 67% das propriedades agrícolas brasileiras fizeram a adoção de alguma inovação, dentro ou fora do campo. Entre essas tecnologias estão ferramentas e softwares para controle da gestão da produção animal e também a automatização de processos que envolvem documentação.

Certificação de origem, agricultura de precisão, rastreabilidade… estes são termos que não podem ser ignorados pelos gestores do agronegócio. Se o campo apresenta boas possibilidades, também é nele que há mais espaço para as tecnologias de ponta. Capazes de dar mais previsibilidade e aumentar a produtividade no agribusiness, essas ferramentas precisam ainda agregar qualidade de gestão.

ADEQUAÇÃO AO MERCADO MUNDIAL

Por outro lado, o setor vive o desafio constante da adaptação ao mercado mundial. A agropecuária responde por quase metade das exportações nacionais. Isso significa atender a diferentes exigências internacionais para garantir a qualidade dos produtos. Também significa buscar altos padrões de competitividade, com planejamento estratégico e redução de custos.

No agronegócio, esses aspectos envolvem estudos de clima, solo, georreferenciamento, biogenética, gestão de água e energia, entre outros aspectos. Se o setor se expandiu a partir de conhecimentos tradicionais, hoje é a ciência que oportuniza sua profissionalização.

INTEGRAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM PROL DA AGRICULTURA

Estamos, atualmente, inseridos em um ciclo de convergência muito grande entre diferentes tecnologias, como a biotecnologia, a tecnologia da informação, a nanotecnologia e a ciência cognitiva. Todas elas, integradas, permitirão que a agricultura fique mais digital, informatizada e tecnificada. Ou seja, aquilo que parecia pertencer a um futuro distante, como monitorar tudo o que acontece na fazenda por meio de um tablet, se tornará coisa do presente.

Além disso, as ferramentas de consultorias presenciais, à distância ou os aplicativos digitais se complementarão e um não viverá sem o outro. Por isso, indicamos que você procure enxergá-los como ferramentas integradas que se complementam e contribuem para que sua propriedade rural alcance o crescimento esperado.

BOOM DOS APLICATIVOS QUE AJUDAM NO CONTROLE DA PROPRIEDADE RURAL

Seja na versão para smartphone ou tablet, os aplicativos rurais, que também podem ser chamados de apps do agro, estão se tornando cada vez mais úteis no ambiente rural. Eles possibilitam que empresários rurais desempenhem diversas atividades no campo, facilitando e agilizando os processos de gestão das fazendas.

São aplicativos que ajudam a gerenciar o controle de pragas, a seleção de híbridos a serem plantados, a escolha da semente e o gerenciamento do sistema de adubação, tudo isso interligado a drones e fotos de satélite, com o objetivo de contribuir para que o agricultor tenha um maior crescimento de sua produtividade. Por esse motivo, eles também são considerados como uma das tendências que teremos em 2019.

CONCLUSÃO

Conciliar todos esses fatores – tecnologia, gestão e mercado – é o que acreditamos como melhor caminho para o desenvolvimento do agronegócio nacional. Para tanto, é preciso que os agrogestores acreditem na tecnologia, mas também invistam fortemente em excelência operacional. Se não for assim, muito dinheiro pode ser enterrado, sem que renda uma boa produtividade.

mprado

26/ago/2019

A Importância da Gestão Financeira em Uma Empresa do Agronegócio

INTRODUÇÃO

É normal, que muitos empresários rurais imaginem possuir o embasamento necessário para executar uma gestão financeira eficiente de seu negócio. Mas, muitas vezes isso não corresponde à realidade e acabam acontecendo erros que poderiam ser facilmente evitados. 

Por isso, desenvolvemos este artigo, que esclarece e demonstra toda a importância desta gestão, que organiza processos, otimiza a produção e amplia a lucratividade da empresa.

IDENTIFICAR E APROVEITAR AS OPORTUNIDADES

Uma das maiores vantagens de se aplicar uma gestão profissional ao agronegócio é possibilitar ao empresário uma visão mais estratégica, que permita que ele identifique e aproveite oportunidades de mercado. Aquele que executa uma gestão financeira profissional e inteligente, pode ampliar seus lucros mesmo em tempos de crise.

Administrar a receita, controlar o fluxo de lucros e despesas, organizar investimentos, financiamentos, crédito, tudo isso em equilíbrio com o patrimônio da empresa. É um processo que exige do gestor o entendimento de diversos fatores, além da capacidade para reconhecer falhas e propor soluções.

A GESTÃO E O AUMENTO DA RENTABILIDADE

Quando uma empresa é criada, invariavelmente, tem como objetivo principal a geração de lucro para o seu dono. Porém, até que se chegue a esse ponto, o gestor precisa aprender a lidar com as finanças, com organização, planejamento, acompanhamento de custos e conhecimento das atividades desenvolvidas.

A importância da gestão financeira para o agronegócio está na familiaridade com os custos, a rentabilidade da empresa e as projeções futuras de rentabilidade. Além disso, essa profissionalização ajuda o empresário a visualizar com precisão quais são os gastos mais onerosos de sua atividade, permitindo a criação de soluções eficientes para a redução dos custos e, consequentemente, o aumento significativo do lucro.

MUDANÇAS QUE GERAM RESULTADOS

Seja qual for a modalidade de atuação de sua empresa rural, e mesmo que você não conte com o auxílio de um profissional para a gestão financeira, existem alguns pontos que o empresário precisa entender e ficar atento para não prejudicar o seu negócio. Selecionamos aqui, 4 informações fundamentais nesse sentido, veja:

Mantenha os custos de sua produção sob controle

O custo de produção compreende tanto os gastos fixos quanto os variáveis. Os fixos são os investimentos em estrutura, maquinário, tributos e etc. Os gastos variáveis englobam sementes, nutrição animal, mão de obra, entre outros. Ter o completo conhecimento e domínio desses custos possibilita a tomada de decisões mais assertivas e estratégicas.

Antecipando situações para traçar estratégias

 

 

No próprio registro de uma safra, por exemplo, é possível estabelecer vários cenários que podem se tornar realidade. É com base nesses possíveis cenários que se constrói as estratégias, contando com os piores tipos de situações, mas também levando em conta as melhores. Dessa forma, o empresário não é pego de surpresa e saberá sempre como agir.

 

Gestão de fluxo de caixa

 

Fluxo de caixa é um tipo de controle da movimentação financeira de uma empresa, durante determinado período de tempo, que leva em conta as entradas e saídas de dinheiro com base em registros detalhados. Ao saber como geri-lo corretamente, você poderá programar os períodos em que precisará captar recursos extras ou que terá de tomar decisões utilizando uma quantidade maior de capital.

 

Software de gestão

 

Um negócio rural gera diversos dados que precisam ser considerados, avaliados e processados. Um volume grande de informações que não pode ser deixada de lado. Dessa forma, o uso de um software de gestão se torna fundamental para ter maior controle sobre o negócio. Atualmente, o mercado disponibiliza uma infinidade de opções que contribuem para a realização da gestão financeira do negócio, evitando que erros humanos sejam cometidos e garantindo que todos os dados estejam seguros para serem utilizados a qualquer momento.

mprado

15/jul/2019

A Gestão Mudando a Pecuária

A pecuária possui particularidades que poucas outras atividades têm. Nossa mercadoria é viva, movimenta-se, requer planejamento de longo prazo, utiliza alimentos que também são vivos e dependem do clima, e ainda está sujeita aos mercados internacionais.

A gestão profissional é a primeira solução que podemos aplicar em uma propriedade rural. Com ela, temos a chance de conhecer os reais números do negócio, e posteriormente decidir quais outras tecnologias podemos implantar para otimizar os ganhos da pecuária. 

QUAIS AS MELHORES TECNOLOGIAS PARA MINHA PROPRIEDADE RURAL?

Podemos citar algumas tecnologias, como a própria gestão profissional da propriedade, a divisão, rotação, adubação e irrigação de pastagens, o confinamento e a integração Lavoura-Pecuária-Floresta.

QUANDO USAR ESTAS TECNOLOGIAS?

Quando temos os números na ponta do lápis, sabemos exatamente onde devemos focar nossa energia, e melhorar os ganhos por hectare. As vezes chegamos em uma região e vemos duas fazendas vizinhas, uma o proprietário está em boas condições financeiras, na outra ocorre o contrário, e analisando as duas, descobrimos que a gestão foi o fator crucial que gerou esta diferença.

O controle dos números da fazenda de uma maneira eficiente, nos possibilita enxergar pontos de melhoria nos índices financeiros e zootécnicos, e abre espaço para a tomada de decisões estratégicas com base nestes índices.

O QUE SÃO ÍNDICES ECONÔMICOS E ZOOTÉCNICOS?

Índices Econômicos são aqueles que mostram a situação financeira da fazenda, mostra se está pagando suas contas ou está se endividando, podemos citar alguns exemplos destes indicadores como:

  • Custo por arroba produzido
  • Custo por hectare/ano
    Lucro por arroba
  • Lucro por hectare/ano.

Os Índices Zootécnicos são aqueles que medem a eficiência do sistema produtivo, e sempre impactam nos Índices Financeiros, podemos citar alguns exemplos destes indicadores como:

  • Desfrute
  • Ganho médio de peso a pasto 
  • Lotação de u.a. por hectare
  • Produção de arrobas por hectare
  • Taxa de prenhez
  • Taxa de desmame

Conhecidos estes índices, podemos definir as estratégias que vamos utilizar para melhorar a rentabilidade financeira e a produtividade da fazenda, e definidas as estratégias que serão tomadas, o próximo passo é controlá-las e melhorá-las no dia a dia da fazenda.

O QUE PODEMOS CONCLUIR?

A gestão controla os números e nos possibilita analisar o negócio de forma profissional, e posteriormente descobrir novas oportunidades de ganhos com talvez um baixo investimento financeiro.

 

Leonardo Galvao Netto

Zootecnista e Consultor na MPrado Agronegócios

mprado

18/jun/2019

A Globalização do Agronegócio

Com a globalização da economia, o Agronegócio brasileiro, assim como todos os outros setores produtivos, teve que recalcular suas rotas, suas ações e conceitos. Uma nova realidade, sem fronteiras, que causou uma mudança na forma de pensar e agir do produtor rural.

UMA VISÃO MAIS AMPLA

A imagem da Fazenda como simples fornecedora de matéria prima não cabe mais. É fundamental que o produtor assuma uma visão sistematizada de produção e comercialização, priorizando a eficiência, para equilibrar seu negócio e manter a sua competitividade. A definição do Agronegócio passou a ser muito mais ampla, interligando tecnologia, pesquisa, insumos, processamento, preço e distribuição.

RELAÇÃO PROFISSIONAL COM O MERCADO

É fundamental que o produtor rural conheça seu lugar na cadeia produtiva, independente do tamanho de seu negócio. Dessa forma ele terá totais condições de responder a quatro perguntas-chave: O que? Quando? Quanto? Pra quem produzir? Tendo sempre a consciência de que, neste modelo, o gerente é o mercado e o dono é o consumidor.

No mundo globalizado, um relacionamento profissional com o mercado é imprescindível em todas as etapas do agronegócio, principalmente nas etapas que ocorrem dentro da porteira.

A comercialização é o momento mais importante do processo produtivo. Saber vender bem é essencial.

O DESAFIO DA EFICIÊNCIA

Na conjuntura atual, onde a competição, a produtividade e a tecnologia autossustentável ditam as regras, alguns conceitos começam a perder espaço, em especial o que colocava o Estado como grande administrador do Agronegócio Nacional.

Contudo, fica claro nesse novo cenário, que um sistema equilibrado e sua competitividade a longo prazo, ainda são muito dependentes das políticas macroeconômicas do governo (câmbio, juros, impostos, inflação). Ainda assim, é correto afirmar que a força do mercado é hoje a referência maior do agro, apoiada por novos instrumentos de gestão que mudam as perspectivas do setor.

É o desafio da eficiência, que cada vez mais norteia a gestão do agronegócio. sobrevive quem oferece resultados e atua sempre em sintonia com o ambiente globalizado já estabelecido.

mprado

21/maio/2019

A Importância de uma Boa Política de Recursos Humanos

A condução eficiente das relações interpessoais é um diferencial positivo na administração de qualquer empresa, e no agronegócio não é diferente.Para o Recursos Humanos é fundamental entender o colaborador como fator primordial para o sucesso de seu negócio, dando a ele totais condições para exercer suas funções com eficiência.

O bom gestor de recurso humanos está sempre em contato com seus colaboradores, buscando entender suas reais necessidades e adequando seu talento às soluções que irão contribuir para o crescimento da fazenda. Para isso, é fundamental definir políticas de recursos humanos.

IDENTIFICANDO O TALENTO

No momento da contratação de um profissional, é preciso analisar e verificar se ele tem o perfil que se enquadra aos anseios da empresa. E isso vai muito além de uma simples entrevista, é necessário analisar e perceber todo o potencial do possível funcionário.

Mesmo após a contratação, é importante que haja um acompanhamento do setor de recursos humanos. Desta forma, será possível verificar o desempenho do colaborador no momento de executar determinadas funções do agronegócio e confirmar, na prática, se realmente ele corresponde ao perfil que a empresa busca.

LAPIDANDO O TALENTO

A modernização do agronegócio vem aumentando a exigência de qualificação para atender ao mercado. As novas tecnologias, a abertura do comércio e o aumento da competitividade estão promovendo uma grande transformação no setor rural brasileiro. O perfil dos trabalhadores também mudou, devido a uma demanda cada vez maior por colaboradores qualificados.

As fazendas familiares se transformaram em grandes empreendimentos agroindustriais, que trouxeram para o campo a necessidade fundamental de uma maior profissionalização.

Portanto, a capacitação, atualização e o aprendizado constante do colaborador, de qualquer função no setor do agronegócio, são fatores fundamentais para o aumento da produtividade e da lucratividade de sua Fazenda.

 

VALORIZANDO O TALENTO

Mais que contratar a pessoa certa, é preciso saber mantê-la. Muitos funcionários promissores acabam saindo das empresas quando percebem que não irão realmente alcançar a ascensão que ele esperava para sua carreira.

Valorizar o talento é uma missão complicada para os empresários do agronegócio. Alguns profissionais, principalmente os mais jovens, são muito ansiosos por resultados e promoção de cargos.

Para amenizar este problema, recomendamos a adoção de políticas e diretrizes que motivem os colaboradores, aumentando assim seu comprometimento com as metas e a cultura administrativa da empresa, por exemplo:

– Treinamento e capacitação constantes;
– Feedback e Suporte contínuos ao funcionário;
– Remuneração compatível à realidade do mercado;
– Respeito à meritocracia;
– Bonificação por metas;
– Desafios e novos projetos;

– Saber ouvir e estar sempre aberto aos novos projetos e ideias de seu funcionário.

 

Essas são algumas das políticas internas de recursos humanos que podem ser adotadas em seu agronegócio, ajudando sua fazenda a extrair o melhor de cada colaborador, mantendo sua equipe sempre motivada e parceira de seus objetivos empresariais.

A MPrado, possui vários módulos que podem ajudar o seu negócio, tanto com treinamentos, quanto com uma consultoria de Recursos Humanos, para saber mais, acesse a seção de soluções em nosso site.

 

mprado

25/mar/2019

E-Book: Gestão financeira para fazendas – Guia Prático

A gestão financeira de uma fazenda é fundamental para fazer com que ela realmente funcione de forma competitiva e inteligente no mercado. Isso ocorre pelo
fato de que uma propriedade rural necessita dos mais diferenciados controles para que possa ser gerida de uma forma competitiva e lucrativa ao mesmo tempo. Por outro
lado, muitos são os proprietários que ainda enxergam as fazendas como propriedades em que nada mais é necessário, unicamente o dono da fazenda que controla alguns funcionários.

Para auxiliar você no processo da Gestão Financeira, preparamos esse Guia, com um passo a passo completo. Basta realizar o download no link abaixo.

 

MPrado-Guia Pratico para gestão da fazenda

mprado

25/mar/2019

E-book: Como calcular a viabilidade econômica do meu negócio

Prática que passa de geração para geração, a agricultura exige mais do que conhecimento sobre a plantação em si. A atividade requer planejamento prévio para reduzir riscos, aumentar a lucratividade, otimizar a produtividade e diminuir possíveis perdas. Um plantio bem planificado mostra resultados no bolso.

É por isso que desenvolvemos esse E-book, com as principais dicas e estratégias para você calcular a viabilidade econômica do seu negócio. Para ter acesso, basta realizar o download no link abaixo. É gratuito.

 

 

E-book_ Como calcular a viabilidade econômica

mprado

27/fev/2019

Passo a passo para fazer a gestão financeira da fazenda: dicas práticas de como melhorar a gestão da sua propriedade

Há uma diversidade de aspectos a que um agricultor precisa dar constante atenção, caso contrário, a lucratividade será comprometida. A gestão financeira da fazenda é uma delas, além de ser uma excelente porta para oportunidades de crescimento. Sem gestão, uma propriedade rural tende a ser deficitária, uma vez que, com o tempo, as demandas se acumulam.

Não importa se uma fazenda já conta com profissionais ou se ainda é um empreendimento familiar. Sempre é possível gerenciar melhor os processos e maximizar o lucro. Por isso, destacamos 4 dicas para você que quer controlar o seu agronegócio.

1) SABER O QUANTO GASTOU

 Isto é, qual o custo: esta é uma grande ferramenta e é fundamental que todos saibam qual o seu custo de produção. Ainda assim, apenas saber o custo de produção não é garantia/sinônimo de sucesso na atividade, pois estaremos sempre “olhando no retrovisor”, ou seja, já se gastou o dinheiro. Ao saber o custo de produção, na verdade, estou reunindo informações para decisão de ações futuras.

2) PLANEJAR O FUTURO

Terei dinheiro para pagar as minhas contas? A resposta desta questão é a principal utilidade de se ter controle financeiro, que é o Fluxo de Caixa. Saber o que terei para pagar na próxima semana, ou nos próximos 15 dias, e se terei dinheiro ou não é o principal benefício da implantação do sistema. Agora sim, estamos olhando para frente!

3) AVALIAR ONDE ESTOU

Vale a pena, economicamente, este negócio? Reunindo as informações de gastos, receitas e o capital aplicado na atividade, é possível calcularmos qual o retorno do negócio. Mais uma vez, estamos olhando para trás, vendo o resultado que obtivemos. Porém, é com estes indicadores em mãos que podemos decidir por um determinado investimento futuro como, por exemplo, aumentar a área cultivada, investir em novas culturas, construir uma instalação nova, etc. Estaremos assim, tomando decisões em cima dos nossos números.

4) USE A TECNOLOGIA

São muitos dados para se considerar, avaliar e processar, em se tratando de produção agropecuária. Nesse sentido, o uso da computação é fundamental para o controle de múltiplos elementos que precisam ser acompanhados de perto.

Utilizar softwares de gestão adaptados para propriedades rurais pode ser um importante aliado para a sua fazenda. Afinal, a gestão financeira do agronegócio, num país com alta competitividade no setor é questão de lucratividade e de sobrevivência.